19.3 C
São Paulo
segunda-feira, 20 setembro 2021
InícioBelezaConheça Gail Devers e a história de suas longas unhas

Conheça Gail Devers e a história de suas longas unhas

Gail Devers é uma atleta estadunidense conhecida por seu sucesso como campeã mundial na corrida de 100 metros, 100 metros barreira e… por suas longas unhas exibidas até hoje em diferentes competições. Por sabermos que muitas vezes as histórias de mulheres negras são apagadas até que seja impossível ignorar suas existências (como Serena Williams e Simone Biles), talvez você não a conheça. Mas, se conhecer, você conhece, além de sua carreira, os motivos por trás de suas longas unhas?

Conheça um pouco mais de mulheres afro-asiáticas

Gail Devers

Gail Devers está envolvida no mundo dos esportes desde pequena: seu irmão mais velho a desafiava na corrida e fazia graça quando ela perdia. Essa competição fez com que Devers quisesse praticar cada vez mais. Na adolescência, ela optou por se dedicar à corridas de curtas distâncias e, em 1988, participou de suas primeiras competições nas Olimpíadas, na Coreia do Sul.

Three-time Olympic gold medalist Gail Devers on how Graves' disease 'made  me who I am' | The Atlanta Voice
Gail Devers chegou a pesar menos de 40kg – e os médicos ainda diziam que não havia nada de errado com sua saúde. (Foto: Reprodução)

Apesar de hoje ser recordista e se dedicar muito desde criança, sua primeira participação ocasionou em sua desclassificação ainda nas semi-finais. Sua performance só diminuía. Ela se sentia cansada o tempo inteiro, e, ainda assim, não conseguia dormir, além de sofrer de problemas de visão e de enxaquecas constantes.

O diagnóstico

Há muito se discute a falta de preparo de equipes médicas nas necessidades de mulheres negras e as consequências do racismo na forma como essas mulheres são assistidas. Com Gail Devers, não foi diferente. Seu cabelo estava caindo, sua pele estava pálida, ela não conseguia fechar os olhos para dormir. A atleta chegou a pesar menos de 40kg! Ainda assim, procurou diversos médicos que asseguravam que não havia nada de errado com sua saúde e que talvez ela estivesse até imaginando seus sintomas.

Depois de uma longa batalha, Devers finalmente recebeu um diagnóstico: a doença de Graves. O diagnóstico só chegou pela insistência da atleta. Ela disse que conhecia seu corpo e que algo estava errado. Assim, começou seu tratamento, que a permitiu voltar para os treinos.

Depois disto, Devers ainda participou de mais quatro Olimpíadas, recebeu 3 medalhas e foi campeã mundial 9 vezes. Mas este não foi o fim de sua experiência enquanto uma atleta negra.

Câncer de cólon: o que é a doença que levou Chadwick Boseman?

Novo diagnóstico?

De acordo com a Thyroid Aware, a doença de Graves é uma condição autoimune na qual o sistema imunológico do corpo estimula excessivamente a tireoide, fazendo com que produza grandes quantidades de hormônio.

Um outro diagnóstico que está relacionado à doença de Graves, mas é uma condição separada é a oftalmopatia associada à tireóide.

Olympic Champion Gail Devers' Signature Long Nails Were a Symbol of  Maintaining Her Health
Apesar de ter recebido o primeiro diagnóstico na década de 90, Gail Devers não sabia que havia outra doença relacionada à doença de Graves e só recentemente pôde iniciar o tratamento. (Foto: Reprodução)

Lembra que Devers já reclamava de olhos inchados desde o início de seus sintomas? Apesar de receber um primeiro diagnóstico, ela não foi informada desta segunda possibilidade, o que fez com que ela só conseguisse iniciar seu tratamento recentemente.

Gail Devers e suas longas unhas

Também não é de hoje a discussão sobre certas práticas, costumes ou acessórios (tranças, turbantes, unhas desenhadas) serem questionados até que sejam adotados pela cultura de massa.

Gail Devers apareceu várias vezes com unhas longas e chamativas. A Wikipedia até diz que o hábito começou com uma tentativa de parar de roer as unhas na infância.

Pin on Gail Devers
Para Gail Devers, suas unhas longas representam saúde. (Foto: Reprodução)

Em entrevista à revista Essence, no entanto, ela conta que, no início de sua doença, seu cabelo e suas unhas enfraqueceram muito. Por isso, além de uma questão de identidade, para a atleta, ter unhas longas – prática que ela mantém até hoje – é também um sinal de saúde.

Mais lidas