10.4 C
São Paulo
domingo, 01 agosto 2021
Início Saúde Pessoas que ajudam o próximo lidam melhor com a crise

Pessoas que ajudam o próximo lidam melhor com a crise

Ciência tem mostrado que ter um propósito e dar apoio a outras pessoas têm um impacto significativo em nosso bem-estar

New York Times‘ publicado recentemente falou sobre a importância de ajudar o próximo em tempos de crise. Na verdade, as pessoas que ajudam seus semelhantes são as que melhor lidam com a crise. Essas informações estão calçadas na ciência que tem mostrado que, ter um propósito e dar apoio a outras pessoas têm um impacto significativo em nosso bem-estar.

“Há muita evidência de que uma das melhores medicações anti-ansiedade é a generosidade”, afirma Adam Grant, um psicólogo organizacional em Wharton e autor do livro ‘Dar ou receber: uma abordagem revolucionária para o sucesso’ (em tradução livre), ao jornal. “A grande coisa sobre estar disponível para as outras pessoas é que não custa muito, às vezes não custa nada, e acaba sendo benéfico para quem está se doando.”

Ajudar o próximo pode trazer benefícios para nosso corpo e mente de várias maneiras. Lembra o jornal, inclusive, que alguns estudos mostram que ser voluntário, doar dinheiro ou até mesmo pensar em doar dinheiro podem liberar substâncias químicas cerebrais positivas e ativar partes do cérebro que são estimuladas com prazeres como comida e sexo. 

O dr. Grant lembra que somos melhores em aconselhar aos outros mais do que a nós mesmos. “Uma das melhores coisas que você pode fazer é ligar para outra pessoa enfrentando um problema parecido e guiá-la”, afirma. “Quando você guia as pessoas com seus problemas, você acaba identificando perspectivas mais sábias e soluções para você mesmo.”

A professora adjunta de trabalho social na Universidade Rutgers, Emily A. Greenfield, observa que se importar com os outros nos ajuda a regular nossas próprias emoções e adquirir um maior senso de controle. “Quando lembramos um amigo que as medidas de isolamento social são temporárias, e que isso também deve passar, também estamos, por consequência, lembrando a nós mesmos e servindo como um controle para nossas emoções”, afirma.

Para ler a matéria completa (em inglês) clique aqui.

Colaborou com a reportagem – Thaís Sena

Mais lidas

Conheça Gail Devers e a história de suas longas unhas

Gail Devers é uma atleta estadunidense conhecida por seu sucesso como campeã mundial na corrida de 100 metros, 100 metros barreira e......

Conheça a gastronomia da diáspora à base de plantas

Eu poderia escolher o título "gastronomia vegana" pra esse texto? Talvez. Mas não seria uma escolha fiel à realidade e nem justa....

Você sabe identificar os sinais de desidratação?

Muitas cidades Brasil afora estão enfrentando temperaturas baixíssimas nos últimos dias. Em São Paulo, jornais reportaram o dia mais frio dos últimos...

Mês do orgulho LGBTQIA+: um pouco da literatura queer

Junho é o mês do orgulho LGBTQIA+. E, apesar de sabermos que o Brasil não é um dos países mais receptivos deste...

Câncer de cólon: o que é a doença que levou Chadwick Boseman?

Por Dra Fernanda Ribeiro Sem dúvida 2020 foi um ano de heróis e vilões, como nos filmes de...